-->


08 julho 2016

RESENHA - AINDA BEM QUE ENCONTREI VOCÊ - NATHÁLIA MADEIRA

Adquira o livro

Título: Ainda bem que encontrei você
Autora: Nathália Madeira
Gênero: Romance
Ano:




Sinopse
Marcelly Andrade tinha a vida que sempre sonhou. Após se formar na faculdade, conquistar seu amor de infância e virar sócia de um negócio em ascensão, pensou que seria feliz para sempre, no entanto uma curva traiçoeira mudou radicalmente seu percurso e um triste acidente levou seu porto seguro.
Após perder seu namorado se viu sozinha, perdida de si mesma e um diagnóstico torna seu sonho de ser mãe impossível. Acreditando não ser mais capaz de ser feliz se dedica apenas ao trabalho, porém, duas meninas perdidas no parque podem trazer consigo um novo destino para Marcelly.

De forma inesperada ela descobrirá que na vida podemos encontrar varias formas de amar e um romance avassalador a espera. Venha desvendar essa história de superação e amor.





Nota
Eu não sou de ter livros que sejam favoritos, além é claro de Playboy irresistível, mas esse livro me conquistou de uma forma inexplicável. Eu preciso confessar que não dava nada pela história, não foi aquela capa que eu vi e falei “preciso ler”. Quem me conhece sabe que vou muito pela capa. Mas acabei por participar de um livro viajante, onde a leitura seria esse livro. 
Ele chegou, fiquei emocionada, mesmo assim ainda não estava muito animada, até que comecei a ler e já gostei logo de inicio, mas já estava esperando mais do mesmo, não que isso seja ruim, mas nunca imaginei me envolver da maneira que me envolvi. Fiquei viciada, engoli o livro de um dia para o outro e depois não sabia o que fazer, porque não queria que tivesse acabado. Eu precisava mais, muito mais do gatão e da gatona. Então essa resenha de hoje tem algo muito especial. Porque Ainda bem que encontrei você entrou para a lista dos meus livros favoritos. 

A história é narrada em primeira pessoa, à maioria dos capítulos contados pelo ponto de vista da personagem principal Marcely e alguns pelo personagem Roberto. 
Marcely sempre foi apaixonada por Felipe, ele foi seu primeiro e único amor. Ela lutou por ele e finalmente Felipe venceu todos os seus medos e se entregou de cabeça nesse lindo amor. Eles foram muito felizes, realizaram seus sonhos juntos e traçaram uma vida toda pela frente. Mas o destino, penso eu, às vezes pode ser um filha da mãe. 

“ Eu estava quase dormindo quando uma luz forte e uma buzina ensurdecedora me despertam com um susto, as últimas coisas de que me lembro foi de abarcar mais o Lipe e dizer eu te amo, ele retribuiu o abraço disse: 

- Calma, eu também te amo vai dar tudo certo.” 

Em uma viagem Marcely e Lipe sofrem um trágico acidente, onde infelizmente Felipe não sobrevive (chorei litros, mesmo já esperando o que ia acontecer), Marcely acorda 20 dias depois em um hospital com a notícia de que perdeu seu grande amor e para piorar tudo devido a uma infecção ela precisou retirar todos OS seus órgãos reprodutores, destruindo por completo seu sonho de ser mãe. Nesse momento ela teve certeza que sua vida estava acabada e que a felicidade nunca mais bateria a sua porta. 
Ledo engano. 
Depois de quase 04 anos onde sua vida foi como uma montanha russa de emoções Marcely pode se dizer que é quase a mesma mulher de antes do acidente. Ainda dói, muito, mas ela aprendeu a se equilibrar e viver a vida de uma forma que possa ser minimamente feliz. O que ela não esperava era encontrar o amor e a felicidade novamente, muito menos que esse amor viria com a chance de realizar seu maior sonho, ser mãe. 
Seus sábados eram reservados para sua afilhada Madu e aquele não seria diferente, pensou ela, e tudo seria se não fosse aquele encontro que mudaria sua vida. Elas estavam tranquilas quando aquele choro de bebê chamou sua atenção. 

“... comecei a escutar um choro, que foi aumentado de volume consideravelmente, tinha um bebe furioso por perto, ouvi por uns dois minutos e meu coração já estava apertado, saí para ver se podia ajudar, pensando ser alguma mãe de primeira viagem. Quando cheguei á calçada avistei um carrinho de bebe do outro lado da rua, e uma garotinha em pé bem ao lado..." 

O choro vinha de uma bebe que estava sozinha no parque junto com sua irmã mais velha, elas estavam assustadas e Marcelly se apaixonou por Isabel e Vitória no primeiro olhar. Como um pai poderia esquecer suas filhas em um parque? 
Ela as levou para a lanchonete e depois de alimenta-las seguiram para a delegacia, passaram quase a noite toda lá e ninguém apareceu para saber sobre aqueles dois anjinhos. O tio de Marcelly, que é policial, pediu que ela levasse as meninas e as trouxesse de volta no dia seguinte, na esperança de que alguém viesse atrás delas. Então foi o que ela fez, mas sua raiva só aumentava e tudo piorou quando no dia seguinte ela encontrou Roberto, o pai daquelas duas meninas. Ele não parecia se importar ou achar um absurdo ter esquecido as duas filhas e para piorar a situação ao invés de agradecê-la foi um estúpido. 


Roberto era um bom homem, mas mesmo assim ele não conseguia ser o pai que suas filhas precisavam. Depois da morte de sua esposa as coisas só pioraram. Ele não a amava, mas isso não mudou o fato de que eles tiveram duas filhas. Filhas essas que ele não sabia o que fazer. Quando se deu conta de que as havia esquecido no parque ficou arrasado. Por sorte aquela mulher as achou e cuidou bem delas. Então por que raios ele foi um grosso com ela ele não sabia. 

Desde o dia que Marcelly e Roberto se conheceram as coisas entre os dois não deram muito certo. Ela o achava um homem frio e um pai horrível e ele a achava uma intrometida. A única coisa que os unia eram aquelas duas meninas que precisavam de alguém para ama-las e foi pensando nelas que Marcely aceitou o convite de Roberto de ir morar em sua casa e cuidar de Bel e Vick. Ela foi sabendo que aquilo seria temporário, ela só queria ajudar, mas o que ela não sabia era que também seria ajudada. 

Roberto e Marcelly se sentem atraídos de uma forma inexplicável, mesmo quando tudo o que fazem é soltar farpas ao se encontrar. Mas as circunstancias os fazem conviver no mesmo teto e eles acabam descobrindo que tem muito em comum e que talvez um seja a cura que o outro precisa. Os dois então tem que aprender a conviver. Roberto esta disposto aprender a ser um pai e dar o amor que suas filhas precisam, mas, além disso, ele também quer amar e ser amado por Marcelly. 

“Antes dela, eu era um homem que tinha uma casa e duas meninas que moravam comigo, Marcely transformou quatro paredes e um teto em um lar, me ajudou a ser um pai e um homem melhor.” 

Eles aprenderam o quanto o amor é valioso, o quanto podemos ser felizes quando nos permitimos sentir aquilo que nosso coração clama. Aprenderam também a se respeitar e criar uma família juntos, mas acima de tudo aprenderam que família não precisa ter sangue, precisa ter amor e respeito. 


Bom gente nem preciso dizer que super indico esse livro. Leiam, chorem, riam e amem essa história assim como eu. 
Naty minha linda nem preciso te dizer que te desejo muito sucesso. Que sua história seja lida por muitas e muitas pessoas.


Beijos, 
Carol Cappia

2 comentários:

  1. Carol amei a resenha, muito obrigada pelo carinho!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Querida Carol, essa obra foi uma grande surpresa da minha filha para mim. Sei que sou suspeita para falar, mas gostei demais desse romance. E a cena do acidente me marcou profundamente. Senti como se tivesse acontecido realmente. Agradeço o carinho com a minha autora predileta. Abraços carinhosos.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar...