-->


28 abril 2016

RESENHA OS CAÇADORES DE CONCHAS - ROSAMUNDE PILCHER


Título: Os Catadores de Conchas.
Autor: Rosamunde Pilcher.
Editora: Bertrand Brasil.
Número de Páginas: 700.
Ano: 1989


Sinopse

“Os Catadores de Conchas´ conta a vida de Penelope: mulher parecida com milhares de outras mulheres. Penelope Keeling é filha de um pintor vitoriano idoso e de uma jovem francesa liberal e independente. E é exatamente a sua vida tão comum e igual a de qualquer mulher que torna este romance tão atraente. Com altos e baixos, Penelope, foi feliz por ter sido uma filha amada, e infeliz por ter se casado com o homem errado. Encontrou mais tarde o verdadeiro amor, mas as tragédias e problemas ocasionados por esse encontro deixaram marcas profundas. Teve três filhos, cada um com seu mundo estruturado, intransponível, com suas desilusões e alegrias. É nesse universo que o leitor vai penetrar, envolvendo-se com uma mulher vigorosa, firme e bela. Ao longo de 600 páginas, o mundo de Penelope arrebatará o leitor de tal maneira, que será impossível não se envolver com o destino da Família Keeling.”

E para fechar o mês de abril com chave de ouro, nada como escrever sobre um dos mais conhecidos e maravilhosos romances que já li.....

Os Catadores de Conchas é um Best Seller conhecido mundialmente traduzido em mais de 30 países e sucesso até hoje no gênero.

O pilar central da história é sobre a decisão de ganhar muito dinheiro ou manter a posse de um quadro de valor sentimental.

Penélope, matriarca da família Keeling, é filha de um pintor já falecido que de repente tem suas obras super valorizadas no mercado. Ela possui um lindo quadro “Os catadores de conchas” e fica no dilema de vender ou não o mesmo. Possui três filhos que fazem de tudo para que a mãe venda o quadro e eles fiquem muito ricos. 

"Olivia não se preocupou com isso. Não receava por Os catadores de conchas. Lawrence Stern dera o quadro para a filha como presente de casamento, sendo mais precioso para Penelope do que todo o dinheiro do mundo. Ela jamais o venderia. Nancy - e Noel também, por sinal - simplesmente teria de ficar esperando que a natureza seguisse seu curso, e Penelope finalmente morresse. Coisa que, segundo Olivia esperava devotamente, ainda levaria anos para acontecer." 

O livro conta uma história de amor: o amor em família e o amor entre um homem e uma mulher. Penélope foi criada num ambiente familiar cheio de amor, onde teve de tudo: carinho, atenção e amizade de seus pais, até que a II Guerra Mundial atinge a vida da família, e tudo começa a mudar. Deixa a casa de seus pais e vai ajudar trabalhando como Wren (Women’s Royal Naval Service). Conhece Ambrose e faz um casamento infeliz... Nos anos seguintes, durante a guerra, Penélope sofre outras perdas mas também conhece o amor, na figura de Richard. A autora nos faz mergulhar num universo emocionalmente rico... e aos poucos vai se revelando a importância do quadro do pai de Penélope na vida dela e de seus filhos, a tal ponto de nos sentirmos envolvidos com seus problemas familiares e de saúde e seus sentimentos. 

Os personagens tem caráter forte e muito bem descritos pela autora, Penelope, a senhora de opiniões fortes, despreocupada com as convenções e luxos, dando valor ao que realmente importa, às pessoas, Nancy, a filha mais velha de Penelope, é caracterizada pelo egoísmo e avareza. Seus únicos objetivos na vida foram formar uma família e viver das aparências, gastando mais do que tinha. Noel, filho mais novo, só pensa em encher os bolsos com o dinheiro alheio e por fim sua terceira filha que mais se assemelha com a personagem principal. 

Apesar do livro ter mais de 700 paginas não é uma leitura cansativa. A autora, muito sabiamente, soube como escrever de uma forma que o leitor se prende a história do inicio ao fim. 

Para quem está acostumado com narrativas muito fantasiosas definitivamente este não é um livro recomendado pois ele relata de forma muito precisa a “rotina” dos nossos personagens, nos faz ter noção do que se passa ao nosso redor de uma forma calma e tranquila. É o tipo de leitura para se fazer em um parque ou um local tranquilo e silencioso para que se de total atenção aos mínimos detalhes. 

É um romance água com açúcar clássico. Vale muito a pena ler!!!

Por Dany Sousa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar...